|
Estudos
1 2 3

A Biblioteca Fernandina

√Äs futuras gera√ß√Ķes de fil√≥logos, √° procura das fontes que inspiram o maior poeta desde Cam√Ķes, recomendamos uma pesquisa na biblioteca de Fernando Pessoa. Os aproximadamente 500 volumes que constituem hoje em dia esta biblioteca representam apenas um excerto do cap√≠tulo: Fernando Pessoa – leitor. Consta que o poeta trocava os livros que deixavam de lhe interessar por livros ingleses na antiga Livraria Inglesa da rua do Arsenal. Mesmo assim, no seu estado actual, reduzido aos livros dos quais n√£o se queria separar, a biblioteca fernandina reflecte de maneira insofism√°vel a personalidade e as prefer√™ncias intelectuais do seu propriet√°rio.
Notemos, desde logo, a preponder√Ęncia impressionante dos livros ingleses ou traduzidos para ingl√™s, facto que, s√≥ por si, devia reter a aten√ß√£o dos Aubrey do nosso tempo, se tais houvesse; mais de 350 volumes da biblioteca s√£o ingleses, seguidos por cerca de 100 livros franceses. √Č surpreendente, para o curioso fernandino, o n√ļmero escasso de autores portugueses. Abstraindo de algumas obras de Teixeira de Pascoais e de uma colect√Ęnea miser√°vel de Cam√Ķes, esta sec√ß√£o da biblioteca comp√Ķe-se quase exclusivamente de poetas de terceira categoria, mas de dedicat√≥rias verbosas, que talvez impediram que Pessoa os trocasse por livros ingleses.
A parte inglesa da biblioteca √©, sem d√ļvida, aquela que o maior interesse oferece aos investigadores da obra de Pessoa. Embora n√£o mais tivesse viajado, depois de ter regressado da √?frica dos Sul, deixou os rastos das suas viagens interiores nas p√°ginas dos seus livros, assinalando a l√°pis e a tinta os versos da sua prefer√™ncia e a resson√Ęncia que os pensamentos dos outros nele despertavam. O poeta dos tr√™s heter√≥nimos, no seu papel de leitor, permanece sempre ¬ęPessoa ipse¬Ľ. Lado a lado, encontramos Virg√≠lio e Hor√°cio, as melhores antologias da poesia grega (em edi√ß√Ķes bilingues), fonte de inspira√ß√£o de Ricardo Reis, as ¬ęFolhas de Erva¬Ľ, de Walt Whitman, sublinhadas por Pessoa-√?lvaro de Campos, e os poetas cl√°ssicos ingleses que encantaram o jovem estudante da High School.
Citemos, traduzindo para português, um dos epigramas gregos (de um certo Palladas de Alexandria), sublinhado por Ricardo Reis:

√Č isto a vida, e nada mais existe; vida √© del√≠cia; vai-te, cuidado negro! Passageiros n√£o os anos dos homens. Hoje o vinho √© nosso e a dan√ßa e as grinaldas de flores e as mulheres. Hoje deixai-me viver gostosamente; ningu√©m sabe o que o amanh√£ nos dar√°.


Lendo estas linhas, quem n√£o se lembraria das odes de Ricardo Reis, que come√ßam pelos versos: ¬ę coroai-me de rosas ¬Ľ ou ¬ę T√£o cedo passa tudo quanto passa! ¬Ľ. Estamos aqui em face do ¬ętopos¬Ľ da transitoriedade das coisas que v√™m da poesia grega at√© nos.
Tamb√©m nas ¬ęFolhas de Erva¬Ľ, de Whitman, encontramos, entre os versos sublinhados, linhas de liga√ß√£o com a poesia de √?lvaro de Campos:

¬ęBrotam de mim tais ardores que dentro de mim ignorava: velejam-me...¬Ľ. e ¬ęVivas √†queles que falharam!¬Ľ cita√ß√Ķes estas que nos conduzem infalivelmente √° ¬ęOde mar√≠tima¬Ľ, com o seu dinamismo ext√°tico e a longa s√©rie de invoca√ß√Ķes.

Fig. 1. Diario de Noticias, 18 de Janeiro de 1962, pp. 7 e 8.Fig. 1. Diario de Noticias, 18 de Janeiro de 1962, pp. 7 e 8.
Fig. 1. Diario de Noticias, 18 de Janeiro de 1962, p. 7 e 8.

Apesar da sua forma√ß√£o predominantemente inglesa, vis√≠vel at√© no facto de ele se servir do ingl√™s para as suas anota√ß√Ķes. Pessoa orientou as suas leituras manifestamente no sentido goethiano da ¬ęWeltliteratur¬Ľ. Os autores cl√°ssicos desde Homero at√© Balzac dominam a sec√ß√£o liter√°ria da sua biblioteca. O curioso alem√£o se alegrar√° com aquela antologia dos melhores versos alem√£es, acompanhada, nos poemas de Goethe e Heine, por t√≠midas tentativas de tradu√ß√£o. Um fil√≥logo sueco ficaria extasiado perante a tradu√ß√£o francesa do seu grande Runeberg, anotada a l√°pis pelo poeta portugu√™s.
Al√©m da parte liter√°ria propriamente dita – notemos, de passagem, a grande curiosidade de Pessoa pelos problemas, relacionados com a figura de Shakespeare, testemunhada por seis volumes – impressiona o espa√ßo reservado √° hist√≥ria da cultura, √° teologia, astrologia e ci√™ncia ocultas. Encontramos, e muito sublinhada, uma obra sobre ¬ęThe brotherood of the rosy cross¬Ľ (A irmandade da Roseacruz), fonte indubit√°vel do poema de Pessoa ipse ¬ęNo t√ļmulo de Christian Rosenkreutz¬Ľ. Ao lado de ¬ęThe Kabbalah unveiled¬Ľ (A Kabbala desvelada) existe ¬ęThe twentieth century New Testament¬Ľ, com s√≠mbolos astrol√≥gicos e sinais a l√°pis √° margem da Apocalipse. Pessoa entregou-se, consultando as diversas correntes da religiosidade crist√£ e judaica, a penosas inquiri√ß√Ķes acerca do ser supremo e da sua cognoscibilidade.
Das extensas leituras filos√≥ficas, testemunhadas pelos amigos do poeta, poucos vest√≠gios encontramos na biblioteca actual. Restam apenas Plat√£o, Marco Aur√©lio, o ensaio sobre o livre arb√≠trio de Schopenahuer e obras sobre o glorificador da Prussia, Heinrich Treitschke, anotadas t√£o profusamente que somos levados a crer que Pessoa tentou, atrav√©s da leitura de Treitschke, encontrar a chave para a compreens√£o do problema alem√£o. Entre os livros psicol√≥gicos predominam as obras de Max Nordau e dos seus advers√°rios sobre a quest√£o: ¬ęG√©nio [em] decad√™ncia¬Ľ, que tanto preocupou [o] poeta na sua mocidade. De Freud n√£o existe nada, confirmando assim a informa√ß√£o que o pr√≥prio Pessoa forneceu a um dos seus cr√≠ticos, dizendo que pouco ou nada fora influenciado pelo psiquiatra vienense.
Mesmo no seu estado actual e reduzida, a biblioteca fernandina é o retrato fiel da personalidade de Pessoa-leitor, reflectindo a amplitude dos seus interesses. Não são os bons livros que fazem o poeta genial, mas tratando-se aqui de um poeta genial, a viagem através da sua biblioteca ajuda-nos a compreender o interesse que a sua obra vai despertando universalmente.

Georg Rudolf Lind

Nota: Este recorte encontra-se na Biblioteca Nacional de Portugal, no esp√≥lio n.¬ļ 3 (de Fernando Pessoa) [BNP/E3, Anexo 3-1]